OQUE VOCÊ PROCURA???

Visualizações

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

LUTO

LUTO

Agradeço ao meu Deus pela oportunidade de ter conhecido o Pr. Virgílio R. do Amaral.

...certeza que está num lugar bem melhor...




quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Estudo para a criança sobre carnaval


Estudo para a criança  sobre carnaval


Estudo Bíblico para a criança sobre o Carnaval

 (Pode ser dado em uma das aulas da EBD, em um dos cultos na salinha ou em uma ocasião que achar coveniente).


CarnavaTÔ FORA!

Andréia M.Duarte

Quando vem chegando o carnaval às pessoas fica agitadas, uma fantasia , O lugar que vão passar o carnaval...
 Quando chega o dia ? Parece até que o mundo vai acabar de tanta alegria. Uns pulando ,outros dançando ...
 Parece que o carnaval é a festa da alegria.
 Mas só parece não se engane. Você é muito inteligente pra cair nesta armadilha.
 Já viu uma ratoeira?E um aparelhinho bem simples, mas que acerta em cheio a cabeça do rato e ele morrem.
 Mas porque o rato chega perto da ratoeira? Bom quem quer pegá-lo coloca um pedaço de queijo. O rato não resiste , assim como mão resistimos a um sorvete bem gostoso .
 Assim é o carnaval, as cores, fantasia, a música alegre é como um pedacinho de queijo em uma ratoeira. Parece tão inofensiva!
 Mas porque eu como servo de Deus deve dizer não ao carnaval?
 Vamos descobrir?
 A palavra carnaval foi tirada de uma palavra grega: CARNELEVARIUM.
 Ela quer dizer: Festa da carne.

A Bíblia diz que a nossa carne que é o corpo sempre quer fazer coisas que desagradam a Deus. Devemos controlá-la. Sabe-se que não devo fazer uma coisa, pois vai me fazer mal ou entristecer a Deus, deve dizer não para a minha vontade.

O carnaval me incentiva a fazer coisas que Deus não se agrada.

Pense? O que vemos no carnaval?

Pessoas com roupas bem pequenas dançando de forma sensual.

A sensualidade é uma coisa que Deus não se agrada. Quando uma pessoa quer ser sensual está querendo mostrar seu corpo de forma indevida. Outras pessoas vão querer namorar com ela mesmo se for casado .Isto não agrada a Deus .

As crianças também são incentivadas a usarem as roupas e dançarem como os adultos. Se Deus fica triste em ver adultos fazendo estas coisas ,imagine as criançinhas que tanto ama?

No carnaval as pessoas se entregam a bebida alcoólica .Deus não quer que ninguém fique bêbado .

Você já viu uma pessoa bêbada?Ela fica enjoado,agressiva.Às vezes faz um montão de besteira e não consegue controlar o seu corpo.

Deus nos fez muito inteligentes e não fica feliz ao ver as pessoas bêbadas sem conseguir pensar direito.

Satanás quer que isto aconteça quer ver as pessoas sem controle ,xingado e batendo nos outros.Eu não quero isto pra mim .E você?

Já observou as músicas e as fantasias do carnaval? A letra da música sempre fala de demônios ,orixás e deuses da feitiçaria.

O tema dos desfile pode não está relacionado a estas práticas mas sempre arrumam um jeito para falar de um demônio.

O carnaval foi criado como uma festa pagã , ou seja para pessoas que não serviam a Deus. Depois as pessoas foram se acostumando a ela e agora faz parte do calendário como uma grande festas .

Que ilusão !São ratinhos que estão presos em uma ratoeira por causa de uma falsa alegria .Fique esperto.Você é inteligente.

Lembrança para Páscoa

Uma ovelhinha confeccionada com EVA e TNT:



terça-feira, 10 de janeiro de 2012

PEDAGOGIA

PEDAGOGIA 

1. SAIBA COMO PLANEJAR, COM EFICÁCIA, SUA AULA: 

Conteúdo deve ser de pleno conhecimento do professor, o primeiro a ser considerado no planejamento da aula. 
Extensão e tempo é necessário verificar a quantidade de informações e ensinamentos a serem transmitidos. É preciso fazer uma seleção de conteúdos, priorizar as informações e ensinamentos que mais se harmonizam com os objetivos da aula, de forma prática no tempo disponível. 
A exposição de uma lição requer uma boa distribuição de tempo: 

Abertura (5%) – uma espécie de “quebra-gelo”: pergunta, brincadeira ou dinâmica para descontração dos presentes (geralmente ligada ao tema). 

Introdução (10%) – estabelecimento de relações com o tema estudado na aula anterior. Desperta a disposição para a aprendizagem. É por isso que deve haver criatividade, por parte do professor, que, também, precisa utilizar notícias de jornal, fatos contemporâneos, ilustrações e experiências corriqueiras para que os alunos se familiarizem. 

Interpretação (30%) – a argumentação bíblica do professor deve ser consistente com as verdades contidas na Palavra de Deus, de tal modo que os alunos posam interpretá-las e aplicá-las. 

Aplicação (40%) – o aluno deve ser estimulado a mudar aspectos de sua vida para andar de acordo com o que está contido nas Escrituras: os princípios, leis, ensinamentos que devem ser levados em consideração, esclarecidos e assimilados para a formação do caráter cristão. É o momento no qual deve-se estimular a participação, o partilhar de experiências que propiciem edificação e aprendizado. Tudo isto deve ser feito com a supervisão e direcionamento do professor para que não se escape dos objetivos da aula. Conclusão (15%)- recapitulação das principais informações transmitidas e repasse de conhecimentos aprendidos. É o momento de fechar idéias, confirmar doutrinas e demonstrar a importância da mudança de atitudes e comportamentos. É momento de comunhão e edificação espiritual, por meio do qual os alunos farão uma introspecção para expor, diante do Senhor, a situação real de sua vida em busca de mudança. 

A importância do planejamento e do ensino eficaz: 
É o momento no qual o professor vai explorar, ao máximo, o seu potencial e criatividade, constatando o interesse dos alunos pela Palavra de Deus e o desejo de retribuir o que lhes foi ensinado. Para alcançar isto, o professor deve ser previdente e organizado, administrando o seu tempo semanal com a meditação da lição que vai ensinar. 
Por meio do ensino, o professor desperta a mente do aluno para captar e reter a verdade, motivando-o a pensar por si mesmo, da seguinte forma: 

1. O aluno precisa crer que não é o professor que o ensina. O professor tem que fazer com que o aluno pense por si mesmo, estimulando a sua atividade intelectual para que ele descubra as verdades implícitas na sua mensagem. Somente há aprendizagem com a atividade mental dos alunos. Para isto, devem ser guiados de tal forma que possam expressar com segurança seus novos pensamentos, com base nos resultados da leitura e observações do professor. 

2. O professor deve explicar o novo com base no antigo, partindo do conhecido para o desconhecido, do claro para o obscuro, do fácil para o difícil. A eficiência do seu ensino está na apresentação de imagens já conhecidas para que os alunos façam associações, da mesma forma que Jesus o fazia com as parábolas. 

3. Deve-se considerar a faixa etária, as condições sócio-econômicas, bem como os interesses do aluno para que possamos ensiná-lo de acordo com as suas necessidades, adaptando o ensino ao desenvolvimento moral e espiritual dos mesmos (ou seja, à altura espiritual dos alunos). 

4. A verdade a ser ensinada deve provocar mudanças na vida do professor, permitir que o mesmo se emocione, sinta o impacto daquela palavra ensinada em sua vida e a pratique. Quem domina a lição e permite que ela o comova, também saberá comover os seus ouvintes. 

5. Vejamos o que Myer Pearlman diz acerca do papel do eficiente professor: 
“...Você, professor, tem de relacionar constantemente as partes das Escrituras – comparando as histórias com as doutrinas, as profecias com seu cumprimento, os livros com os livros, o Antigo Testamento com o Novo Testamento, os tipos com os arquétipos (modelos, anotação nossa), para que o aluno aprenda que a Bíblia não é uma coleção de textos e de fatos separados, estanques, mas uma unidade viva, cujas partes estão relacionadas vitalmente umas com as outras, como os membros do corpo humano. Vimos depois que o professor precisa aplicar continuamente a lição à vida individual, e à coletiva, para que o aluno fique sabendo que todo ensino bíblico está relacionado com os fatos de sua vida. Nenhum ensino bíblico é teórico, sem aplicação prática.”

2. COMO O PROFESSOR DEVE SE PREPARAR 

1. Preparo espiritual – à frente da sala deve estar um verdadeiro cristão, alguém que tenha uma real experiência de conversão e que procura santificar sua vida. Tal serviço prestado ao Rei é resultado de uma vocação, um gesto de adoração. Não basta ser profissional, é necessária a submissão ao Senhor Jesus, uma vida de adoração, de execução da Sua vontade e busca pelas coisas de cima, tal como o salmista orou: “Desvenda os meus olhos, para que eu veja as maravilhas da Tua lei.” (Sl 119.18). É preciso reconhecer-se dependente do Senhor, incapaz de compreender a Palavra sem o Seu auxílio, moldando a sua vida de acordo com esta Palavra. O professor deve ser um depósito de verdades divinas e fiel guardião da sã doutrina à medida que viver em comunhão com a Palavra de Deus (Sl 119.97; Ex 3.1). Este amante da Palavra, certamente, vive com o seu coração a ferver com palavras boas, ensinamentos eternos e vivos que fazem toda a diferença (Sl 45.1).

2. Preparo bíblico eficaz - o preparo espiritual é um pré-requisito indispensável para se dar início ao preparo bíblico, num profundo mergulho nas Escrituras, que se apresenta nas seguintes atitudes:
fazer diversas leituras do texto bíblico, comparando as diferentes versões; formar uma biblioteca pessoal que contenha dicionários, concordâncias, comentários e manuais bíblicos que auxiliarão na interpretação dos textos; fazer diversas perguntas ao texto para identificar promessas, ordens, mandamentos, princípios, doutrinas, orientações e lições. O descuido com a pesquisa traz inúmeros prejuízos à aula, o que contribui para desmotivar os alunos; fazer um esboço detalhado do texto bíblico – dividir o texto em partes menores permite a assimilação de novas informações; selecionar as lições mais importantes do texto – a Bíblia é como um poço de águas cristalinas que saciam a nossa sede; como uma caverna que contém inúmeros tesouros, os quais, para serem encontrados, requerem tempo, paciência e coragem de quem os busca. Deve haver prazer em meditar na Lei do Senhor (Sl 1.2) para efetuar este intenso trabalho de pesquisa.

3. Estudo da lição desde o início da semana - o ideal seria que todo professor reservasse, pelo menos, meia hora de cada dia, para estudar a lição. Dessa forma, resolveria aquelas questões que surgem, durante o estudo, antes de ministrá-lo à sala, encontrará melhores ilustrações e referências para o assunto, disporá de mais tempo para orar, bem como contar com a função cerebral subconsciente, segundo Myer Pearlman:
“O subconsciente nos ajuda muito. Sabe-se que por meio do subconsciente aprendemos muito. Depois de havermos feito um estudo árduo e consciente de um assunto, nossa mente continuará trabalhando na questão, enquanto dormimos ou cuidamos de outras coisas. O ditado muito conhecido que diz ‘consulte o travesseiro’ acerca de uma decisão ou problema, está certo. É exemplo do que vimos dizendo sobre o subconsciente. Mas acima de tudo, lembre-se de que por meio da oração é possível estimular sobrenaturalmente as nossas faculdades mentais. ‘Ele os guiará em toda verdade’, diz-nos Cristo. Note que a palavra ‘guiar’ subentende que devemos estar procurando a verdade, ou em outras palavras: estudando.”

4. Estudo consciente - o texto bíblico da lição deve ser averiguado, analisado, dissecado, experimentado antes da investigação profunda do comentário da revista. Ajuntar material além do necessário para a aula. Isso depende da aplicação e dedicação do professor que deseja inspirar amor pelo estudo, trazendo informações adicionais ao texto da lição para a classe. Estudar o texto e o contexto de forma detalhada.

5. Registro pessoal de seu estudo – o professor deve preparar-se em oração e fazer anotações pessoais (na escrita e na prática) que estejam relacionadas à edificação do caráter cristão e testemunho pessoal. A mensagem a ser transmitida deve provocar o efeito da transformação de vidas. Daí a necessidade do testemunho pessoal.

6. O estudo da lição – o planejamento da aula com base nos objetivos da lição é fundamental para que o professor ensine uma mesma verdade de várias maneiras. Tudo o que ele disser deve estar centrado no objetivo principal da lição. O tema principal será como um Sol, ao redor do qual se moverão todos os pensamentos a ele relativos, tais como os planetas o fazem ao redor da maior estrela.

7. Apresentação da lição - o início da aula é o momento de negociação, momento no qual o professor vai lançar o anzol com uma isca bem apetitosa para atrair o aluno a si, mantendo-o fisgado. Para isto, ele deve elaborar estratégias que façam o aluno pensar, despertem o seu interesse, explicando verdades novas com o auxílio de verdades já assimiladas. O esboço não deve ser lido para a classe. Deve ser apresentado como um esqueleto que o professor vai revestir com a carne, usando os comentários necessários para revesti-lo e tornar a mensagem compreensível.

8. Ilustração da lição - o professor precisa estar atento ao limite de tempo que possui para que possa ministrar a aula de acordo com o objetivo principal. Myer Pearlman compara a ilustração da lição à edificação de uma casa:
“ Dominar a matéria e determinar o objetivo correspondem, digamos, a fazer um desenho da casa pronta, e elaborar a descrição detalhada da planta. Pode incluir a decisão quanto ao material que se há de usar. A introdução da lição representa a abertura dos alicerces.
Resumir a lição é levantar as estruturas de concreto.
As perguntas correspondem às divisões revisadas. Pediu-se aos alunos que respondessem a algumas perguntas acerca do assunto. Por meio de trabalhos práticos, por escrito, ou por meio de diálogo, o professor dará o acabamento à obra.”

Ele ainda acrescenta:
“As ilustrações correspondem às janelas e às lâmpadas elétricas que iluminam as dependências da casa. As ilustrações esclarecem o tema, ajudam o aluno a compreendê-lo, e assim mantém seu interesse. Por isso, é melhor o professor preparar uma lista de ilustrações.”

Para fazer bom uso das ilustrações, o mesmo autor deixa-nos algumas sugestões de como as ilustrações devem ser:

Mais claras que a verdade que ser ilustrar; interessarem o aluno e estar relacionada à sua experiência, relacionarem-se realmente com a lição; apresentadas com um certo limite, evitando-se o excesso; causar boa impressão; sugerirem boas idéias; aplicadas à verdade e a verdade aplicada à ilustração. Ex.: parábolas.

A conclusão da lição - é o momento no qual o professor vai trabalhar para despertar no aluno o firme desejo de colocar em prática tudo o que aprendeu, dando a ele oportunidades para memorizar a mensagem principal e amar a verdade ali ensinada. Pois o que mais importa é a aplicabilidade do conhecimento, o que nos faz recordar a unidade do homem como a apresenta Pestalozzi: espírito – coração – mão. Observando este aspecto, o professor possibilitará o desenvolvimento da tríplice atividade humana, contribuindo para o aprimoramento da inteligência, da moral e da técnica: conhecer – querer – agir: “Escondi a tua palavra no meu coração, para eu não pecar contra ti” (Sl.119.11).
Fonte: EBD Onlin

O que as nossas crianças estão vendo?


O que as nossas crianças estão vendo?
 

"E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus" (Romanos 12:2).

O quê século tem nos trazido? O quê tem entrado em nossa casa, nossa mente, nosso espírito? O quê tem sido ensinado a nossas crianças?

Você que é pai (mãe), avô(ó), tio(a), professor(a), já parou para meditar sobre isso? Já elaborou estratégias para não se deixar conformar por este mundo e não permitir que isso aconteça com suas crianças?

Todos os dias vemos as mais ardilosas estratégias de satanás para tomar a mente das nossas crianças, desenhadas de forma muito clara em todos os aspectos da nossa vida. E nós, muitas vezes, por não darmos a atenção necessária a coisas simples como brinquedos, roupas, sapatos, um celular, um programa de televisão, um jogo, nos deixamos ser conformados com este mundo e não buscamos a renovação da mente, nem para nós, nem para os nossos filhos. Geralmente o que se ouve é: "ah, isso é tolice" ou "besteira, que mal isso pode fazer?", ou ainda "já tenho tanta coisa pra fazer, vou perder tempo com mais isso? Na igreja ele aprende sobre isso!". E assim, sem atentarmos, o inferno se instala dentro da nossa própria casa.

Por que estamos falando isso?

Mais uma vez em nosso vídeo há uma produção da apresentadora Xuxa, direcionada às crianças. Se você já teve a curiosidade de ver alguns quadros do programa, deve ter visto a personagem bruxa Keka, que dá dicas aos pequenos de como uma criança deve de comportar. Entre as "pérolas" apresentadas por ela, veja algumas:

- Toda criança deve brigar, mentir, pois isso é divertido;
- Criança não deve escovar os dentes, pentear os cabelos nem limpar os ouvidos;
- Se o seu irmãozinho estiver dormindo, faça bastante barulho perto dele, belisque, até que acorde;
- Criança não deve obedecer aos pais nem a ninguém. Obedecer é muito chato.

Além deste programa, temos seriados como "Malhação" e novelas direcionadas para as crianças, "O beijo do vampiro" foi um verdadeiro atentado ao pudor, à moral, ao respeito, aos princípios da Palavra de Deus. E tantas outras coisas que nos agridem diariamente, assim como à nossa família.

O Ministério de Crianças tem se preocupado em levar aos pequenos todos esses ensinamentos, mas precisamos de vocês, pais e responsáveis, para lutarmos contra estes principados malignos.

Instrua, converse, aconselhe seus filhos em relação a essas coisas. E dê exemplo! Não assista a essas coisas e nem permita que outras pessoas dentro da sua casa assistam (Veja Deuteronômio 11:18-21). Se você ensinar seu filho no caminho em que ele deve andar, certamente não se desviará dele (Pv 22:6).

Não se conforme e nem deixe a sua casa estar conformada com este século, mas esteja buscando a transformação da sua mente e a de sua família, através da Palavra de Deus. Então, você e a sua casa conhecerão qual é a boa, agradável e perfeita vontade do Pai. Amém.

Prs. Luiz Renato e Regina Vasconcelos 

Criando um Líder na Infância


Criando um Líder na Infância

Durante muito tempo a igreja teve a sua visão limitada no que diz respeito às crianças. A idéia geral era que deveria ter algum trabalho para elas porque vinham com os pais e, se ficassem no templo, atrapalhariam o culto. Poucos eram os que viam nelas pessoas tão importantes quanto quaisquer outras da congregação e que mereciam respeito e atenção da mesma maneira que os outros.

O Ministério Infantil, através da Rede de Crianças nos mostra que todos têm o seu lugar no Reino e têm a sua importância, desde o mais novo ao idoso. Todos precisam ser vistos de forma especial em suas necessidades e no potencial que têm para oferecer ao crescimento do reino.

Dentro desta visão, esta Rede tem como proposta mostrar às crianças que Deus é real, está presente em suas vidas em todos os instantes, em todas as atividades que desenvolvem durante o dia, e, quando dormem, esse mesmo Deus vela por elas.

A Rede trabalha com evangelismo nas células, além de tratarmos da formação de caráter. Temos cultos semanais, específicos para crianças, onde todas as coisas, ornamentação, recepção, músicas, ministração, levam em conta a própria criança, buscando ensiná-las a estar na casa do Senhor e ter prazer em servi-lO.

Temos ainda os Encontros, que trazem cura, libertação e batismo do Espírito Santo; além de outras atividades, como acampamentos, passeios e um trabalho social feito pelos líderes de células.

Jesus disse: "Não impeçais as crianças de virem a mim, pois delas é o reino dos céus. E se não tiverem o coração como o delas, não entrarão no meu reino". Não devemos impedir nossas crianças de chegarem a Jesus. Quando achamos que são muito imaturas para aprender as coisas do reino, ou que desperdiçamos tempo e dinheiro, que o gasto é sem retorno, quando olhamos para elas apenas como o "futuro", estamos impedindo que elas cheguem até Jesus.

Temos um sonho: formar um exército de crianças cheias do Espírito Santo, adestradas na Palavra, ousadas e destemidas, para saquear o inferno e implantar o reino de Deus na terra.

Conclamamos você, amado irmão, a sonhar juntamente conosco, e a fazer esse exército marchar sobre a terra.

Invista nas suas crianças. Olhe para elas como líderes de êxito, de sucesso, e você verá a grande diferença que isso fará nas famílias e em todo o Ministério. Contamos com você!

Prs. Luiz Renato e Regina Vasconcelos
Que coisa boa!Chegamos em 2012!

Expectativas fazem parte do nosso dia a dia, tomara que  DEUS seja o centro.

FELICIDADES A TODOS QUE NOS ACOMPANHAM.

BREVE POSTAREI VÁRIAS DICAS DE AULA PRA ESSE ANO.
BEIJOOOOOOOOOOOOS!